quarta-feira, 6 de junho de 2012

 PROJETO DE EDUCAÇÃO FÍSICA INCLUSIVA


1-     APRESENTAÇÃO

·        Há necessidade de proporcionar aos alunos de inclusão uma educação física de qualidade na Rede Municipal de Ensino.
·         Desejo de mudanças atitudinais e estratégicas.
·        Quebra de barreiras pedagógicas entre professores e alunos.
·         Oportunizar as mesmas experiências oferecidas a todos incluindo o aluno com deficiência, transtorno Globais,...
Os apoios recebidos são: Secretaria Municipal de Educação, FELEJ (Fundação Municipal de Esporte e Lazer de Joinville), CEAPE (Centro de Apoio Pedagógico), CEPE (Centro Esportivo para pessoas Especiais).

2-     EQUIPE DE TRABALHO

Maria Sueli Passarelo de Almeida – Professora de Educação Física
Tânia Terezinha Gadotti – Professora de Educação Física e Fisioterapeuta.
Maristela Nocera- Professora de Educação Física
Funções na Escola – assessoraramento aos professores de Educação Física, Equipe Administrativa da Escola, Auxiliares, pais e professores de sala.


3-     POPULAÇÃO BENEFICIADA
Os alunos beneficiados são crianças com deficiências ou não que estudam na Rede Municipal de Ensino
 Público alvo - a partir de 02 anos.

4-     OBJETIVO GERAL

·        Dar oportunidade aos alunos com deficiências de ter várias opções de esporte e lazer, mostrando o impacto destas atividades na qualidade de vida, nos aspectos físicos, sociais e psicológicos.
·        Desenvolver atividades que favoreçam o desenvolvimento das habilidades e capacidades físicas.
·        Proporcionar através da atividade física, o bem estar físico e mental dos alunos;
·        Incentivar o aluno à prática de atividades físicas;
·        Respeitar a individualidade e as limitações de cada aluno;


criança com miolomeningandocéli realizando atividade de basquete

JEMP (Jogos Escolares Municipais Paradesportivos)




5-     DESCRIÇÃO



·        Fases ou Etapas - Levantamento das crianças com deficiências da Rede Municipal de Ensino e orientação aos professores de Educação Física.

EDUCAÇÃO FÍSICA INCLUSIVA


A Educação Física Inclusiva é um programa diversificado de atividades físicas, adequados aos interesses, capacidades e limitações do aluno com deficiência.
A proposta de a educação Física Inclusiva objetiva proporcionar atividades físicas promovidas pelas escolas do sistema regular de ensino, pois, muitas vezes, esses alunos são dispensados pela sua deficiência. É um dos meios que proporciona ao aluno com deficiência condições de aumentar o repertório de movimentos, e estar devidamente incluído em todas as atividades desenvolvidas pela escola. Através das atividades físicas que o aluno deficiente pode estabelecer um novo conceito de corpo, passando a detectar e desenvolver os potenciais remanescentes, direcionando o pensamento, os motivos e o comportamento diante da sua condição. Por mais acentuada que seja sua limitação motora, pode-se conseguir com a educação física inclusiva uma parcial ou completa adaptação à sua limitação e às solicitações do ambiente, em várias situações. Isto se torna possível porque o indivíduo redimensiona o significado do movimento dos membros remanescentes e, de alguma forma, elabora um vocabulário corporal próprio.
Em função da Educação Inclusiva iniciamos um trabalho de inovação na Educação Física Regular da rede Municipal de Joinville. Tendo como objetivo a participação dos alunos com deficiência nas aulas de Educação Física, respeitando sua individualidade, sua potencialidade e limitações.
Este projeto teve início em 2009 e só pôde ser efetivado devido ao apoio e incentivo da Secretaria da Educação da Rede Municipal de Ensino, sendo realizado pelos profissionais de Educação Física dos CEAPES (Centro de Apoio Pedagógico).
Iniciamos o trabalho através de visitas nas escolas, aos professores de Educação Física que tinham em suas turmas alunos de Inclusão, com o objetivo de oferecer, parceria, orientação, colaboração e suporte pedagógico. Os três professores responsáveis atendem todas as escolas da rede, onde existam alunos deficientes, ou seja, solicitada sua presença.
 Observamos que muitos professores tinham dificuldades em desenvolver atividades pertinentes à inclusão, sentiam-se inseguros e necessitavam de um suporte e orientação especifica na área de educação física inclusiva.
Simultaneamente realizamos visitas as Instituições que atendem crianças com deficiência, a fim de conhecermos o seu trabalho com objetivo de formar parcerias para melhor atendermos as crianças da Rede Municipal de Ensino. E paralelamente encaminharmos nossos alunos para desenvolver atividades físicas desportivas no contra turno, visando desenvolver suas reais potencialidades.
Tivemos oportunidade de visitar inúmeras entidades que atuam na Educação Especial em nossa cidade e com elas estamos traçando laços de parcerias;
·        CEPE (Centro de Esporte para Pessoas Especiais)
·        FELEJ (Fundação de Esporte e Lazer de Joinville)
·        AMA (Associação de Pais e Amigos do Autista)
·        APAE (Associação de Pais e Amigos do Excepcional)
·        ADESD (Associação dos Deficientes Educáveis com Síndrome de Down)
·        ADEJ (Associação dos Deficientes Físicos de Joinville)
·        APISCAE (Associação Integral da Criança e Adolescente Especial)
·        AJIDEVI (Associação Joinvilense para Integração dos Deficientes Visuais)
·        COMDE (Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência)
·        CENTRINHO (Núcleo de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábios-Palatais e Serviço de Atenção Auditiva).
·        SESI (Serviço Social da Indústria - SESI Escola)
·        ARCD (Associação de Reabilitação da Criança Deficiente).
·        CAPSI (Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-juvenil)
·        NAIPE (Núcleo de Assistência Integral ao Paciente Especial)
Dança Inclusiva

CEPINHO (Centro Esportivo para pessoas com deficiência)

PARAJASC 2009

PARAJASC 2010


PARAJASC 2009



Das principais atividades elaboradas podemos citar:

  • Participação nos Jogos Escolares, auxiliando no Paradesporto.
  • Participação no PARAJASC, auxiliando os atletas e consolidando a parceria Educação/Felej.
  • Resgate de auto-estima dos educandos a partir da participação dos Eventos Paradesportivos.
  • Participação do curso PAR oferecido pela SE.
  • Participação do 1º Festival Paraolímpico Escolar Recreativo.
  • Participação dos Jogos da FECADESC (Federação Catarinense de Desportos de Cegos e Baixa Visão).
  • Participação No Projeto Mãe D’agua (Proesa).
  • PARAJASC 2011

    PARAJASC 2011

    PARAJASC 2011

    Palestra para Professores Ed. Fisica



    Palestra para os Professores de Ed. Fisica.

    Campeonato de Xadrez


Através destas parcerias podemos encaminhar os alunos com
deficiência, oportunizando aos mesmos uma melhor qualidade de vida e iniciação desportivas.
            Observou-se no decorrer do ano de 2009 uma mudança e comprometimento dos professores de Educação Física diante dos alunos com deficiência.
            Nas visitas realizadas as Escolas e CEIS percebeu - se grande evolução dos alunos com deficiência em relação à participação e interesse nas aulas de Educação Física.
            Houve um grande engajamento dos alunos com deficiência em participar dos Jogos Paradesportivos.     
            Percebemos que alunos, cujos pais se comprometeram em colaborar, levando e incentivando seus filhos a participarem das atividades oferecidas, que os mesmos obtiveram um ganho significativo nas funções psicomotoras, sociais, emocionais e cognitivas.
            Estes avanços observados repercutiram positivamente no desenvolvimento e desempenho escolar.
            Queremos destacar um dos grandes avanços neste projeto, a parceria com CEPE (Centro Esportivo para Pessoas Especiais). O CEPE é uma ONG (coordenado pela professora de Educação Física e Técnica da Equipe de Basquete em Cadeira de Rodas “Aninha” – Ana Teixeira) onde seus associados podem independentemente da limitação física, encontrar no esporte um elemento motivador e conseqüentemente superar diversos obstáculos impostos, muitas vezes pela sociedade, que não está preparada para atender as diferenças.
            Através desta parceria perceberam-se a necessidade de ampliação deste projeto devido à demanda de pessoas com deficiência em Joinville, com a indicação de estarem vinculadas as escolas da rede regular de ensino.
            A partir destas considerações foram implantados mais dois pólos do CEPE em Joinville, através de patrocínio do Comitê Paraolímpico de Brasília.

Modalidades desenvolvidas:
  • Basquetebol em Cadeira de Rodas
  • Bocha Paraolímpico
  • Natação
  • Atletismo
  • Tênis de Mesa

6. RESULTADOS

            Diante dos resultados positivos mencionados acima queremos destacar a realização de eventos recreativos e desportivos oferecidos pela Secretaria da Educação, FELEJ/ CEAPE e CEPE, onde houve a participação dos alunos com deficiência.
Destacamos:
  •  Participação nos Jogos Escolares realizados na Univille em maio de 2009. Paradesporto/ Atletismo.
  • Participação no PARAJASC realizado em Caçador em Junho de 2009.
  • Participação no PARAJASC realizado em Itajaí em maio de 2010.
  • Participação no PARAJASC realizado em São Miguel  D’Oeste em 2011.
  • 1º ,2º e 3º  Festival Paraolímpico Escolar Recreativo.

7. AVALIAÇÃO
           
O maior desafio foi estabelecer parcerias com os professores de Educação Física diante da visão de comportamentos, atitudes e conceitos pré-estabelecidos propiciando a inclusão mais efetiva dos alunos de forma geral, pois tais mudanças não trouxeram benefícios apenas aos alunos de inclusão, mas sim, em todo ambiente escolar.
            Observou - se um grande número de alunos beneficiados neste projeto e uma boa qualidade de trabalho desenvolvido até o momento, porém, temos consciência da necessidade de continuidade e aperfeiçoamento constantes deste projeto.



8. CONSIDERAÇÕES FINAIS
           
Percebemos o grande avanço obtido através deste projeto no sentido de uma maior conscientização em relação à inclusão de uma forma geral, sejam por parte dos profissionais que intermediaram este trabalho, Profissionais do CEAPE, Professores de Educação Física, Pais e/ou responsáveis, Escola e Comunidade.
            Observou - se a melhoria da qualidade de trabalho nas aulas de Educação Física, a valorização dos alunos independentes das suas capacidades, habilidades e interesses próprios.
            Sabemos que inclusão não quer dizer padronização geral, e sim, oferecer a todos os mesmos experiências e oportunidades respeitando a individualidade de cada um, valorizando seus potenciais e contribuindo para o progresso geral.
            Este projeto está em andamento com a perspectiva de crescimento e aperfeiçoamento de todos que estão engajados no trabalho.  
           

9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


WINNICK, P. Joseph. Educação Física e esportes Adaptados. Editora Manole 

ROSADAS, S. C. Atividade Física Adaptada e Jogos Esportivos para o deficiente. Eu Posso. Vocês duvidam? Rio de Janeiro: Atheneu, 1989.

LAZER, ATIVIDADE FÍSICA E ESPORTE PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. Brasília, SESI - DN, Ministério do esporte e Turismo, 2001.

SOUZA, P. A. O esporte na paraplegia e tetraplegia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994.


Grande parte deste projeto foi embasada nas experiências e trabalhos vivenciados e pelos relatos de pessoas com deficiência.



2 comentários:

  1. Oi achei muito interessante o projeto e gostaria de obter maiores informações sobre.
    meu e-mail para contato é dinhacast@ig.com.br
    desde já, obrigada!

    ResponderExcluir